Time Out Lisboa review by Jose Carlos Fernandes

Daniel Levin – Organic Modernism (CF 212)***
O sexto disco do quarteto do violoncelista Daniel Levin marca um recuo em relação aos anteriores. Não há alterações na orientação estética nem na formação relativamente aos dois mais recentes, Bacalhau e Live At Roulette (ambos na Clean Feed), que foram bem recebidos nestas páginas. O que mudou é que Levin, que dantes assegurava todas as composições, deixou mais de metade das faixas ao sabor da improvisação.

Enquanto “Action Painting”, “My Kind of Poetry” ou “Old School”, compostos por Levin, mantêm o usual nível, as peças improvisadas – umas em quarteto e outras em duos sortidos – são, por comparação, esquissos informes e indiferenciados, pese embora o talento de Nate Wooley (trompete), Matt Moran (vibrafone) e Peter Bitenc (contrabaixo).

One response to “Time Out Lisboa review by Jose Carlos Fernandes

  1. Daniel Levin – Organic Modernism (CF 212) *****
    Nesta obra Levin supera em larga medida o que anteriormente fez:
    dá um salto em frente, abre novos espaços, novas concepções, novas dinâmicas, e sobretudo uma linguagem mais ampla aberta ( em todo o sentido) mais abstracta e mais profunda; UMA OBRA PRIMA. J.A.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s