Monthly Archives: June 2013

Image

Jazz Magazine reviews by Stéphane Ollivier

CF_JazzMAg1

Image

Jazz Magazine review by Paul Jaillet

CF273_JazzMAg2

All About Jazz review by Henning Bolte

CF 275Lama + Chris Speed – Lamacal (CF 275)
Lama is a young Portuguese/Canadian trio with a firm foothold in both Rotterdam and Porto. Lama is trumpeter Susana Santos Silva, double bassist Gonçalo Almeida  and drummer Greg Smith. Lamaçal, Lama’s second album on Clean Feed, was recorded live during the Portalegre Jazz Fest in 2012, and features well known clarinetist/saxophonist Chris Speed as a guest. Santos Silva, Almeida and Smith are remarkable musical characters who have something to tell and who have also succeeded in establishing a strong group identity. The trio has at its disposal a wide range of techniques and approaches well absorbed from the jazz tradition, all of which are exploited creatively in service of their imaginations. As on their first album Oneiros (2011), they created a fascinating sound- universe all their own. The collaboration with Speed is just a natural consequence of this.

Whether it be an Ornette Coleman informed piece such as “Pair Of Dice” or the funeral march atmosphere of “Manta”; the continued rolling generated from the title piece or the whale song of “Moby Dick”; the beautiful melody of the Bolero-like repetitive bass motif of “Anemona” or the handsome hand-drumming of “Cachalote” (sperm whale)—all are impressive and convincing as a colorful oceanic whole. The sea-as-habitat plays a prominent role throughout, and the spirit of Coleman permeates all the pieces. It is most apparent in “Pair Of Dice,” which inherits the qualities of Coleman’s “Una Muy Bonita,” from 1960’s Change Of The Century (Atlantic). Santos Silva’s phrasing has something of Don Cherry’s intrepid momentum. Her interplay with Speed is rich, sophisticated and full of productive tension.

It is the quality, especially of the transitions—between songs and within the compositions themselves—that makes the album special. An important part of it are the passages in which a single instrument deepens the piece, pushes forward into new areas, and opens up new horizons to continue, which constitutes a distinctive difference from classic jazz solos. At Lama’s core is an engaging combination of roughness and melody, audacious and challenging line drawing, and a special unity of the pleasure of playing and deep concentration.

Santos Silva plays everything for which a trumpet is made. Almeida has a wonderfully vibrant bass sound and expands this in a special way by subtly infusing electronics. Smith, firm and flexible as well as rapidly reacting, has everything at hand and knows to use it aptly and at the right moment. Together, their playing remains amazingly grounded all throughout, while constantly new perspectives are being opened, urged, persevered, and shifted. Whatever happens, the excitement of listening continues. Ultimately the group manages what many others try most to achieve: creating appealing fantasy worlds that spark the imagination and could serve as salvation in the vast ocean of reality. The music evokes associations with Josef Nadj, Vasily Kandinsky, Manoel de Oliveira, and Robert Wilson , and there is a parallel appealing pictoral expression on the cover of the album—one of the nicest seen so far this year.

And then, to realize that this is all shaped out of mud. “Lama” means “mud” in Portuguese; guts and self-confidence are clearly required to take that as a starting point. The album title, Lamaçal, meaning “sludge” or “”silt,” goes a step further still. Sea, tides, swell, sludge, creation; Santos Silva, Almeida, Smith and Speed delve into the remarkable, and mould it into fascinating, provocative shapes.
http://www.allaboutjazz.com/php/article.php?id=44788

All About Jazz Italy review by Vincenzo Roggero

CF 275Lama + Chris Speed – Lamaçal (CF 275)
Valutazione: 3.5 stelle
Dopo lo scintillante debutto di Oneiros, il trio lusitano-canadese denominato Lama e capitanato dal bassista Gonçalo Almeida, dà alla stampe l’opera seconda invitando per l’occasione il quotato clarinettista/sassofonista Chris Speed. Registrato durante la decima edizione del Portalegre Jazz Festival, Lamaçal pur conservando alcune delle caratteristiche presenti nell’album di debutto – su tutte una convincente liaison dangereuse tra melodia, elettronica ed improvvisazione – effettua una decisa virata stilistica.

A cominciare dalla scrittura che allarga le proprie maglie, crea spazi, sfuma i contorni e alimenta una sorta di climax cameristico vicino a certi lavori del Claudia Quintet, formazione nella quale milita, non a caso, proprio Chris Speed.

La forma canzone, seppur non convenzionale, dell’album precedente lascia il posto ad una ricerca che va nella direzione di ardite combinazioni timbriche, di una organizzazione del suono costruita su labili segni, di una esecuzione dai toni astratti, talvolta onirici.

Fa eccezione “Pair of Dice,” brano dai chiari riferimenti ornettiani nella quale il quartetto manifesta l’indole più schiettamente jazzistica. Nel complesso Lamaçal si rivela disco sofisticato, dal linguaggio a tratti cerebrale, con in nuce interessanti sviluppi futuri.

English translation:
“After the sparkling debut Oneiros , the Lusitanian-Canadian trio called Lama and led by bassist Gonçalo Almeida, gives the second film prints for the occasion by inviting the quoted clarinetist / saxophonist Chris Speed.
Recorded during the tenth edition of Portalegre Jazz Festival, Lamaçal while retaining some of the features found on the debut album – all on a convincing dangerous liaison between melody, electronics and improvisation – makes a sharp turn style.
Beginning with the writing that broadens their links, creates spaces, blurs the outlines and feeds a kind of climax chamber near certain works of Claudia Quintet, in which formation plays, not surprisingly, Chris Speed.
The song form, albeit unconventional, from the previous album gives way to a research that goes in the direction of bold combinations of timbre of a sound organization built on fleeting signs of a performance-toned abstract, sometimes dreamlike.
The exception is “Pair of Dice,” song by clear references ornettiani in which the quartet shows a more purely jazz character. Overall Lamaçal reveals itself as sophisticated disc, the language at times cerebral, in a nutshell with interesting future developments.”
http://italia.allaboutjazz.com/php/article.php?id=9221

Image

Jazz News review by Thierry Lepin

CF 271_Jazz-News

Jazz.pt review by António Branco

CF 270Ches Smith and These Arches: “Hammered” (CF 270)
Rating: 5/5
Quase três anos depois de um altamente estimulante “Finally Out of My Hands”, na Skirl Records, o baterista Ches Smith volta a reunir o seu projeto These Arches para um disco arrasador.   E isso em grande medida se fica a dever ao alargamento da formação de quarteto para quinteto, com a entrada de um peso pesado do jazz do nosso tempo: Tim Berne. Tudo por uma feliz conjugação de circunstâncias: devido a um conflito de agendas, Tony Malaby viu-se perante a impossibilidade de seguir em digressão com a formação. Para o seu lugar entrou Berne. Com Malaby de novo livre, Smith decidiu adaptar a música ao facto de ter dois sopros (e que sopros!) disponíveis.

No barco mantiveram-se a guitarrista Mary Halvorson e a acordeonista e manipuladora de eletrónica Andrea Parkins. Não só o leque sonoro se abriu com a entrada do saxofonista alto como a própria escrita de Smith evoluiu com base nessa premissa, revelando uma vertente mais contrapontística e a tirar maior partido do xadrez instrumental.   Em “Hammered” – por si só o título quer dizer muita coisa – Smith continua a explorar terreno que lhe tem sido fértil (Good for Cows, Congs for Brums, Secret Chiefs 3, Xiu Xiu): o do cruzamento criativo de elementos provenientes do jazz, da música improvisada e do rock de cariz mais experimental.

Muitas destas peças foram escritas para banda de rock, mas beneficiam claramente por estarem a ser tocadas por este notável grupo de mestres improvisadores. Energia, liberdade e urgência são ingredientes essenciais neste “cocktail” explosivo. Ainda que as rampas de lançamento estejam estruturadas, é evidente o ênfase colocado na improvisação coletiva, o que, com esta mão de obra, faz todo o sentido.

Baterista de largo espetro, Smith sabe ser o fogueiro que alimenta a fornalha para garantir a adequada propulsão, mas também o joalheiro dos finos detalhes. “Frisner” (referência ao baterista haitiano Frisner Augustin, antigo professor de Smith e falecido inesperadamente no início do ano passado) abre as hostilidades em alta rotação e dá o mote para o que vem depois. Impertinência rítmica, sopros em delicioso mano a mano, guitarra e eletrónica pontuando com inteligência esta dança garrida.

Na mesma linha vigorosa segue-se “Wilson Phillip”, homenagem a outro baterista, Phillip Wilson. Escrita para os Ceramic Dog de Marc Ribot, “Dead Battery” acentua as contribuições de Halvorson e Parkins, que se aliam à frente de sopros numa vertigem febril.

Na peça título todos os instrumentos se fundem numa massa caleidoscópica que recircula. Em contraste, “Limitations” é uma miniatura quase sussurrada e de “Learned from Jamie Stewart” (piscar de olho ao vocalista dos Xiu Xiu) brota um bem vindo “groove”. “This Might Be a Fade Out” fecha a refrega numa alternância entre caos e ordem, sobrevindo esta.

“Hammered” não deixa pedra sobre pedra. Excelente.
http://www.jazz.pt/ponto-escuta/2013/05/01/ches-smith-and-these-arches-hammered-clean-feed/

Jazz.pt review by António Branco

CF 275Lama & Chris Speed – Lamaçal (CF 275)
Rating: 4/5
A síndrome do segundo disco é um problema que, sabemo-lo, afeta muitos projetos. Criadas expetativas na estreia, as mesmas, tantas vezes, não conhecem continuidade, ditando o esquecimento. O inverso acontece, porém, com o trio – baseado em Roterdão – formado pelos portugueses Susana Santos Silva e Gonçalo Almeida e pelo canadiano Greg Smith. Aliados ao experiente saxofonista e clarinetista norte-americano Chris Speed, não só confirmam como ampliam neste segundo registo as virtudes expostas na estreia, há dois anos, com o excelente “Oneiros”.

“Lamaçal” concretiza uma parceria que se revela muito conseguida e com a qual, de facto, a formação expande consideravelmente o espetro de soluções disponíveis, dando notáveis passos em frente.   Gravado ao vivo na 10.ª edição do Portalegre Jazz Fest, em 2012, o novo disco volta a revelar movimentações de miscigenação entre elementos de vários domínios das músicas criativas, apostando como elemento essencial das suas construções sonoras numa criteriosa utilização de “loops” e efeitos eletrónicos, que se fundem de forma natural e inteligente com os instrumentos acústicos.   Apesar de Gonçalo Almeida se assumir como principal compositor, todos os restantes músicos também assinam peças concetualmente dominadas pelo imaginário ligado ao mar e a idiossincráticas criaturas que nele habitam (a exceção será o festivo “Pair of Dice”, original de Speed).

“Overture for A Wandering Fish” (da autoria da trompetista) abre em tom solene, escutando-se ruminações vindas das profundezas, seja via sopros ou contrabaixo processado. A peça que dá título ao disco exibe vivos diálogos entre o trompete e o clarinete (depois saxofone tenor), assentes na efervescência controlada da secção rítmica.

Introduzida por sons que evocam os emitidos pelos cetáceos (linguagem estruturada que o Homem praticamente desconhece), a bela melodia de “Moby Dick” revisita a personagem central do revolucionário romance de Herman Melville, com Almeida desenvolvendo graciosas figuras e Smith laborando com minúcia.

“Cachalote”, de Smith, é introduzida por este, seguindo-se uma altiva intervenção de Speed em tenor, que desemboca em vigorosos uníssonos. O tom enérgico desvanece-se e tudo termina serenamente. “Anémona” constrói-se em torno de um belo ostinato de contrabaixo e a melodia hipnotizante de “Manta” transporta o ouvinte para a tranquilidade silenciosa dos fundos abissais.

Uma excelente proposta que reforça o superlativo interesse deste projeto.
http://www.jazz.pt/ponto-escuta/2013/05/08/lama-chris-speed-lamacal-clean-feed/