Tag Archives: Jani Moder

JazzReview review by Glenn Astarita

European Movement Jazz Orchestra (EMJO) – Live in Coimbra CF 228 )
Rating: Five Stars
Profundity, variety and a multidimensional stance are a few striking attributes of the European Movement Jazz Orchestra’s portfolio. With young Slovenian musicians lending their wares, the large ensemble casts a symphonic overture amid small ensemble breakouts and Kenton-like brashness. They explore the free-zone at times during various interludes, yet the musicians’ collective imaginary powers intimate more than a few persuasive proposals.

With the agility of a smaller ensemble, the band forges various genres into the mix, including contemporary classical music and loose groove rock motifs. Uncannily cohesive, the orchestra throws the book at convention. With lucid theme-building exercises and blitzing horns arrangements, the music is also dappled with animated call and response mechanisms. In effect, the orchestra keeps the listener on the edge via the anticipation of subsequent developments.

Saxophonist Uwe Steinmetz is the primary soloist on “E.S.T.,” which is a warm, but largely upbeat ballad that ascends with swarming horns and a forceful buildup during the bridge. Otherwise, the program features witty twists and turns. They generate pathos and a complex cabaret vibe during “Koln Kuddelmuddel,” countered by the wah-wah horns and a jazz-rock vamp. And on “The Shagg’s Principle,” the artists open with a low-key storyline that segues into a twirling big band movement, counterbalanced by probing statements and feisty soloing jaunts. However, the orchestra diminishes into a piano trio setting for several bars, which is yet another component of the band’s distinct mode of operations. Indeed, the music iterated here moves forward with the impact and flair of a comprehensively devised action-packed thriller.
http://www.jazzreview.com/reviews/latest-cd-track-reviews/item/28524-live-in-coimbra-by-the-european-movement-jazz-orchestra.html

Time Out Lisboa review by José Carlos Fernandes

Big bands: Passado, presente & futuro

Chegam simultaneamente ao mercado reedições de duas big bands clássicas e a estreia de uma big band multinacional que tem o futuro todo à sua frente.

Em 1964, Quincy Jones tinha apenas 31 anos mas o seu melhor já ficara para trás (está coligido na caixa ABC/Mercury Big Band Jazz Sessions, elogiada nestas páginas quando saiu em 2008) e revelava uma crescente submissão a imperativos comerciais que acabariam por afastá-lo do jazz. Em QJ Explores the Music Of Henry Mancini (Verve/Universal, **) o elenco é de luxo – Zoot Sims, Phil Woods, Roland Kirk, Clark Terry, Snooky Young, Ernie Royal, Quentin Jackson, Gary Burton – mas é impotente para salvar um repertório de bandas sonoras de TV e cinema (não faltam à chamada a Pantera Cor-de-Rosa e Peter Gunn) servido em orquestrações brilhantes e frívolas.

Igual brilho e mais consistência caracterizam Basie Land (Verve/Universal, ***), um registo do mesmo ano pela orquestra de Count Basie com composições e arranjos de Billy Byers (que também participa no disco de Quincy Jones). A orquestra de Basie era uma máquina poderosa e bem oleada mas com excepção de “Gymnastics” e “Doodle-Oodle” (com bons solos de sax cruzados de Eric Dixon e Frank Foster), em que ganha ímpeto de comboio-expresso, limita-se a circular pacatamente, com paragem em todas as estações.

Ambos os discos, o de Basie e o de Jones, exibem excelente som para a idade, mas a informação, como é apanágio da série Originals, é omissa, fragmentária ou ilegível.

Mudança de agulha e de século, para a estreia em disco, com Live in Coimbra (Clean Feed/Trem Azul, ****), da EMJO (European Movement Jazz Orchestra). A EMJO alinha jovens músicos da Alemanha, Portugal e a Eslovénia e foi concebida para ter actividade apenas em 2007, ano em que aqueles três países partilharam a presidência da UE, mas acabou por ganhar vida própria – e uma vida bem excitante, a crer neste concerto no Salão Brazil, no festival Jazz ao Centro de 2010. O nome mais sonante das fileiras da EMJO é o sobredotado trompetista alemão Matthias Schriefl e não é por acaso que o tema de sua lavra, “Köln Kuddelmuddel”, é o momento alto do CD: abertura em toada monkiana, a que se sucede uma charanga circense, algum jazz-funk e, após um solo de bateria, uma fanfarra obsessiva que entra numa imparável espiral de loucura. A peça mais convencional é “Impresija”, da Kaja Draksler, que só é arrancada à modorra por um solo endemoninhado de sax soprano (Uwe Steinmetz). O trombonista Paulo Perfeito assina “E.S.T.”, uma peça que evoca o trio homónimo, com as suas melodias singelas e arrebatadoras.

O futuro da UE seria certamente mais radioso se os seus líderes exibissem a coesão, ousadia e criatividade desta vintena de alemães, portugueses e eslovenos.