Tag Archives: Oneiros

(Free) Jazz Alchemist review

CF 240LAMA – Oneiros (CF 240)
Although 2/3 of the LAMA trio is portugese the band actually was created in Rotterdam, where Susana Santos Silva and Goncalo Almeida were studying at the jazz department of the city conseravatory. The music this trumpet trio proposes is somewhere between what’s free and mainstream in jazz, the mixture nicely spiced up with an intelligent use of electronics. One can easily fall in love with the “Oneiros”.

The title track is a delicate ballad which glides elegantly as bass and trumpet state the melody in unisono, along spare, steady toms drumming.  “Alguidar” that starts the cd could be divided into different parts, between dark suspense and light, between mysterious tones and melodies, that the track shifts back and forth to seamlessly. “Ouverture for Penguins” brings a surprising mix od noir atmosphere (enhanced by the disturbed echoes flying around) and strong groove, with jamming trumpet solo. While the melodies are sharp and the playing gives them enough bite, the distortion, fx effects, echoes blurr it somehow on the edge, resulting in a more misty tones.

Goncalo Almeida is responsible for all but two compositions on the album, Greg Smith wrote a a dynamic “Dr. No” which remings you of action movies, and Susana Santos Silva the tune “My Fucking Thesis” where electrified trumpet sounds rides with rock solid drum’n’bass charge.

The albums is cohesive, the strong tunes share the decisive grooves, catchy tunes as well as immaginative arrangaments. I feel I’ve rarely heard a trio album where such attention to a complete arrangement was present. The three instruments always fall into precise spot, where they shoud be, might it be a single touch of the drum. Each piece is like a precious music box, carefully crafted. “Melodia Minuscula” charms you into meditataion with warm and simple melody based on gentle touch of strings and most modest percussion touches. All three players deserves a lot of credit for the entire album but the lyrical bass solo in this piece feels really heartwarming.

The LAMA’s music balances intelligently between moments of dramatical and comical, earthy and dreamy and “The chimp who taught men how to cry” exemplifies that with a jumpy, cartoon-like intro that fuses into dramatic tones that get darker and madder with groovy crescendo. As the tension breaks suddenly the cartonish theme returns. The slow, spacious and psychodelic “Tarantino” that ends the cd brings to mind the music of Cuong Vu

“Oneiros” presents some great playing but most of all some brilliant writing. The compositions are tunefull, rich, filled with surprising melodic twists and turns, witty and insightfull. Most satisfying listen on many levels LAMA “Oneiros” comes most definitely recommended.
http://www.jazzalchemist.blogspot.nl/2013/03/lama-oneiros-clean-feed.html#more

Rua de Baixo review by Pedro Tavares

Lama – Oneiros (CF 240)
Soberbo debute!   Quando escutamos “Oneiros”, o primeiro álbum dos Lama Trio, sentimos, e consentimos, que estamos perante uma música ousada, profunda e sobretudo inovadora.   Com sede em Roterdão, Holanda, o trio é constituído por Gonçalo Almeida no contrabaixo, Susana Santos Silva no trompete e por Greg Smith na bateria. A maioria das composições são originais e da autoria de Almeida. Os restantes elementos repartem um tema cada.

Com uma dinâmica e ritmo contagiantes, a formação luso-canadiana comunica através de uma linguagem limpa, assente numa estrutura bem delineada, versátil, onde a electrónica assume um papel preponderante. A combinação entre a improvisação e as linguagens electroacústicas, com recurso a efeitos e loops, conferem uma maior elasticidade aos instrumentos e à própria música. Em “Oneiros”, o trio consegue-a de forma soberba.   Em suma, o jazz electroacústico dos Lama Trio leva-nos numa viagem ao desconhecido de onde não apetece regressar.   É mais um trabalho excelente da editora portuguesa Clean Feed Records, a provar porque é considerada uma das quatro melhores editoras de jazz do mundo.
http://www.ruadebaixo.com/lama-trio-%E2%80%9Coneiros%E2%80%9D.html

Musicworks review by Stuart Broomer

Lama – Oneiros (CF 240)
Based in Rotterdam, Lama is an unusual mix of sensibilities, a trio of Portuguese and Canadian musicians that work at the intersections of film noir cool jazz, electronica and free improvisation. Gonçalo Almeida plays bass, effects and loops and is the principal composer; Susana Santos Silva plays trumpet, flugelhorn and electronics; they’re joined by drummer Greg Smith, a Canadian who toured Europe with Toronto’s Shuffle Demons in the mid-90s and decided to stay in Holland. The music is continually engaging, mining the familiar in oddly surprising ways and maintaining the dream theme of the title track throughout, even in the way it frames aggressive polyrhythmic interplay among the three musicians on The Chimpanzee Who Told Man How to Cry. Almeida’s Alguidar introduces the pattern of continuous transformation beginning in drone-like loops of bowed bass and rubato trumpet long-tones before Santos Silva’s spiky, splintering trumpet becomes the lead voice in a charging, jazz-based improvisation. The group’s identity is constructed in such shifts: Almeida and Santos Silva are both highly lyrical acoustic players, but the playful electronics actually make their sounds more personal. Smith continuously brings flexibility and an explosive immediacy to a music that is at once liberating and nostalgic, something like the film music of Nino Rota.

All About Jazz Italy review by Vincenzo Roggero

Lama – Oneiros (CF 240)
Valutazione: 4.5 stelle
Galeotta fu Rotterdam. O meglio il dipartimento di jazz del locale Conservatorio. Goncalo Almeida, contrabbassista, e Susana Santos Silva, trombettista, entrambi portoghesi, incontrano il batterista canadese Greg Smith e gettano le basi di quello che sarebbe poi diventato il trio denominato Lama. Un incontro fortuito per dar vita ad un trio speciale. Talmente speciale da apparire come una delle stelle luminose di questa prima parte di duemiladodici. Non saranno certo la palpabile affinità elettiva della Santos nei confronti di Bill Dixon o la chiara assonanza estetica con alcuni gruppi di Rob Mazurek e di Cuong Vu, a offuscare la luminosità del trio. Che brilla di luce propria, possiede una personalità fortemente definita, produce una musica che lascia senza fiato, nella quale tutti i possibili riferimenti si disintegrano per ricomporsi in straordinario pulviscolo sonoro.

Il contrabbasso espande i suoi tentacoli grazie anche all’uso di pedaliera e di loops, la tromba fruisce di processori digitali in tempo reale, ma sono solo dettagli tecnici perché gli strumenti vibrano in modo del tutto naturale come voce dell’anima e della mente. Benché composto da otto brani, ciascuno dalla forte connotazione e dalla struttura sfaccettata, Oneiros si può gustare come un unico, sorprendente sogno, popolato da personaggi variegati, più o meno reali – Dr. No, scimpanzé, pinguini, Tarantino – e da magie sonore degne del più ispirato affabulatore.

Ci sono melodie e brandelli di melodie – memorabile quella vagamente felliniana della title- track. C’é una pulsazione elastica, scura, profondamente acustica anche quando contaminata dall’elettronica – impossibile non riandare con la memoria al Charlie Haden versione Liberation Music Orchestra. Ci sono macchie di visionarietà – un caso il conclusivo “Tarantino”? – e cellule ritmiche che fluttuano leggere tra le diverse ambientazioni. Ma soprattutto vi è un concetto di “improvvisazione dolce” che rende entusiasmante il fluire di una musica che cresce di bellezza ascolto dopo ascolto.

Imperdibile.
http://italia.allaboutjazz.com/php/article.php?id=7851

Musica Jazz review by Farnè

LAMA – Oneiros (CF 240)
Per quanto concerne la ricerca jazzistica di oggi, l’ormai stermi-nato catalogo della Clean Feed costituisce una riserva aurea; non saranno tutti capolavori, ma è qua-si impossibile incappare in un cd scontato. Emblematica della linea dell’etichetta portoghese è la mu-sica del giovane trio Lama. Innanzi tutto spicca l’aspetto compositivo (sei degli otto brani sono scritti da Almeida), che articola l’incedere in strutture movimentate e sempre diverse, mai banali, assegnando ruoli e spazi ben definiti ai membri del trio.Ognuno di essi contribuisce nella stessa misura al risultato comples-sivo. La pronuncia scabra e im-maginifica della trombettista può ricordare quella di Rob Mazurek o Dennis González. Il drive austero e ponderato del contrabbassista conferisce sicurezza all’andamen-to, mentre le percussioni di Smith forniscono un sottofondo misurato, salvo caratterizzarsi sotto il profilo dinamico e timbrico nelle sortite solistiche. Gli inserimenti elettroni-ci sono amministrati con accortez-za ed efficacia da Silva e Almeida.

O Público review by Nuno Catarino

Lamaçal electro-acústico
Um trio que não tem medo de ligar a electricidade

LAMA – Oneiros (CF 240)
4 estrelas
O nome de Susana Santos Silva já não deverá soar totalmente desconhecido. A trompetista integra a notável Orquestra Jazz de Matosinhos, lançou recentemente um primeiro disco na condição de líder (o recomendável “Devil’s Dress”) e tem espalhado talento em projectos alheios, sendo o caso mais recente o álbum “Motor” de André Fernandes. Nos vários contextos Susana já confirmou a sua elevada qualidade técnica, além de uma refinada elegância no seu som.

Neste trio LAMA a trompetista está acompanhada pelo compatriota Gonçalo Almeida (contrabaixo, electrónica) e pelo canadense Greg Smith (bateria). O grupo trabalha um conjunto de composições – na maior parte originais de Almeida – com grande flexibilidade, expandindo-as através da improvisação pela capacidade individual de cada um dos músicos, que as vão moldando e integrando novos elementos.

Elemento essencial, característico e precioso neste “Oneiros” é a vertente electrónica – que infelizmente parece ainda passar ao lado da maior parte dos projectos com alguma ligação jazz, mesmo aqueles que nasceram neste século. Para os LAMA a electrónica não se limita à utilização de samples (responsabilidade de Gonçalo Almeida), mas também passa pelo som processado electronicamente dos instrumentos – contrabaixo e, pontualmente, trompete. Nas várias situações esta ligação à tomada é inteligentemente integrada, com os sons electrónicos a saberem entrar de forma sóbria, assumindo a sua presença ao longo de todo o trabalho.

A utilização de variados recursos técnicos permite ao trio a criação de ambientes distintos, num disco que, aparentando desafio e complexidade, se desvenda altamente recompensador para o ouvinte, na sua rica diversidade: alegria, groove, energia, melodismo, delicadeza, surpresa. Esta música electro-acústica faz da originalidade o seu ponto de honra, sendo difícil encontrar paralelo com  esta sonoridade. E isto é um dos melhores elogios que um músico que almeja a criatividade pode receber.

Time Out Lisboa review by José Carlos Fernandes

LAMA – Oneiros (CF 240)
****
Com imaginação, talento e uso judicioso de loops e efeitos electrónicos, o formato trompete + contrabaixo + bateria pode revelar inesperada versatilidade, da melancolia de “Oneiros”, à atmosfera industrial e opressiva de “Tarantino”, passando pelo saltitante “Dr. No”, com overdubs de contrabaixo com arco, e pelo irrequieto “My Fucking Thesis”, com a electrónica mais proeminente.

Os LAMA têm sede na Holanda, país que parece atrair não só o Grande Capital como jovens músicos de jazz de todo o mundo. Os portugueses Gonçalo Almeida (contrabaixo) e Susana Santos Silva (trompete) encontraram-se com o canadiano Greg Smith (bateria) em Roterdão e tiveram este sonho a três, pautado pela economia de meios e a generosidade de ideias. Convém não os despertar.